Bom, quando pensamos em montar uma banda para aproveitar as músicas engraçadas do meu irmão Bruno Portinho, colocamos 40 nomes como opções para nossos amigos nos ajudarem a escolher. Pois o menos pior era "Os Bão". Inacreditável!
   Daí, montamos a banda em torno da família. Cebolinha nos vocais (primo), Bruno Portinho no baixo (irmão), Marcus Portinho na bateria (irmão), Paulo Portinho na guitarra (eu) e Emerson Ribeiro nos teclados (brow).


   O objetivo era tocar as músicas superdescontraídas do Bruno. Há algumas para relembrar nos links do site. Daí surgiu nosso fã-clube "As Boa", que também nos ajudava nos vocais. Aliás, hoje, uma das cantoras (Flávia Gabizo - Flavinha), tem carreira internacional. Fera mesmo! Ainda tinha a Fernandinha, a Aninha, a Camila, a Dani e as respectivas senhôuras de nosso lar, que nem sempre simpatizavam muito com As Boa.


   A banda, enquanto era farra (lembro que fomos comemorar até uma derrota no Fest Valda, vigorosamente), funcionou maravilhosamente bem. Aí ficou séria e ... móóóórreeeeeuuuu.
   Fico feliz quando encontro o pessoal da época e vejo que todos lembram com muito carinho da banda. Nostalgia até. Guardam até as camisas do fã-clube Dr. Molinera. Aí já é demais...
   Tocamos em todos os lugares que se podia tocar no RJ, Queluz, Mendes etc.
   Era muito bom!
   Well...
   Os Bão não era bem uma banda, mas um movimento que tentamos criar em meados da década de 1990.
   A origem do nome é a pior possível. Montamos um time de futebol de salão na PUC-RIO, eu, Bigode e Juquinha. Satiricamente, colocamos um nome singular no time: Cuebão. Por algum motivo, talvez pela universidade ser católica, o nome saiu na tabela do campeonato como Osbão. E perdemos na primeira rodada. Certamente foi por causa do nome...
release

entrevista na rádio imprensa

cartão de natal
fotos